Constelações

Definição de Sistema:

Um sistema é qualquer grupo de pessoas que regularmente trabalha, aprende, se diverte ou se relaciona em conjunto. No caso das organizações inclui os donos das empresas, os fundadores, administradores, gestores, funcionários, departamentos, produtos, mercado, clientes etc.

O denominador comum destas organizações é que são compostas de seres humanos. A dinâmica sistêmica acontece quando os seres humanos funcionam em um grupo.

Quando os Princípios Sistêmicos são considerados, constata-se que a organização funciona duma maneira harmoniosa e eficaz.

São eles:

  • respeito é o princípio mais importante (o que é, deve ser permitido ser) 
  • No sistema todos têm o direito ao seu lugar (pertença
  • Tem de haver um equilíbrio de dar e receber entre os indivíduos, entre os indivíduos e o sistema e entre as diferentes partes do sistema. 
  • O sistema exige que certas prioridades e ordens de precedência devam ser observadas. Isto inclui a antiguidade, especialização, competência e hierarquia funcional.

 

Origem dos conflitos sistêmicos.

Todos pertencemos a muitos sistemas e por isso é normal experimentar tensões que são causadas quando as necessidades de um sistema são incompatíveis com as necessidades de outro. Mal entendidos e conflitos entre as várias culturas podem facilmente surgir. Em muitos casos, esses conflitos são relativamente pequenos e são resolvidos instintivamente dentro do sistema. É uma espécie de um processo contínuo de autocura ou autonivelamento. Mas, noutras ocasiões isso não acontece e, então, é necessário intervir.

 

CONSTELAÇÕES ORGANIZACIONAIS

Histórico 

Começou na Áustria em 1995: dois consultores de empresas convidaram Bert Hellinguer para fazer um trabalho numa empresa internacional. Foi um trabalho muito convincente, mas menos emocional do que nas constelações familiares. 

Entretanto Bert Hellinger não estava muito interessado nesta temática e disse a Gunthard Weber para fazer esse trabalho. Ao princípio, ele não sabia se o queria fazer, mas como trabalha com empresas, começou a fazer algumas experiências que tiveram resultados muito bons. É considerado o “pai” das Constelações Organizacionais. 

 

Em 1998 realizaram o primeiro Congresso, onde estabeleceram as primeiras bases. 

No princípio, os primeiros facilitadores eram terapeutas. Preocupavam-se mais com as dinâmicas sociais e psicológicas e em explicar o contexto empresarial desde uma óptica familiar. 

O pensamento sistêmico tem a ver com o contexto, com os processos, como se influenciam mutuamente, como se forma a consciência coletiva e como é que o observador influencia o observado, tudo isto como um todo.

Entretanto houve um outro professor universitário, Matthias Varga von Kibèd que desenvolveu uma apresentação teórica das Constelações Organizacionais e vários tipos de constelações, mais conhecidas por Constelações Estruturadas. Este professor que este fenômeno é como se fosse uma linguagem “transverbal” que é falada pelo grupo através da metodologia das constelações. O grande desafio é descobrir a “gramática” para esta linguagem. 

Começa a haver já, alguns estudos da validação dos resultados e análises estatísticas. Em Itália, foi apresentado um estudo na Universidade de Milão sobre marcas (estudaram-se 24 marcas e houve seis constelações que foram repetidas e obtiveram-se as mesmas conclusões). Os resultados foram surpreendentes, principalmente, por terem sido feitos com pessoas da área de marketing que não tinham qualquer conhecimento prévio do trabalho sistêico.                

 

PRINCÍPIOS DAS CONSTELAÇÕES ORGANIZACIONAIS SÃO:             

 Os princípios das Constelações Organizacionais encontram-se no nosso interior: é um processo curativo e não um processo descritivo (a aspirina tira a dor de cabeça, mas a causa da dor de cabeça não é a falta de aspirina). 

  • A existência do problema;
  • O que é, tem de ser reconhecido (respeito);
  • Mostrar a mudança e o que tem de ser preservado;
  • Igualdade de pertencer (direito ao vínculo);
  • Equilíbrio de dar e receber;
  • Necessidade de ordem (hierárquica, antiguidade etc.).

 

CULTURA ORGANIZACIONAL

Cada sistema desenvolve o seu próprio padrão de comportamentos e rotinas (como se fazem as coisas por aqui) e isto é o que se chama a Cultura da organização. As novas pessoas que entram no sistema tornam-se cientes disso duma maneira inconsciente e há sempre membros do grupo lembram aos outros se esse comportamento esperado não é seguido.

 

CONSTELAÇÕES FAMILIARES

O que são

Trata-se de um método de ajuda baseado nas descobertas do alemão Bert Hellinger, que desenvolveu seu método a partir de observações empíricas, fundamentadas em diversas formas de psicoterapia familiar, dos padrões de comportamento que se repetem nas famílias e grupos familiares ao longo de gerações.

 

Histórico

Esse filósofo deparou-se com um fenômeno descortinado pela psicoterapeuta americana Virginia Satir nos anos 70, quando esta trabalhava com o seu método das “esculturas familiares”: que uma pessoa estranha, convocada a representar um membro da família, passa a se sentir exatamente como a pessoa a qual representa, às vezes reproduzindo, de forma exata, sintomas físicos da pessoa a qual representa, mesmo sem saber nada a respeito dela.

Esse fenômeno, ainda muito pouco compreendido e explicado, já havia sido descrito anteriormente por Levy Moreno, criador do psicodrama. Algumas hipóteses têm sido levantadas também utilizando-se da teoria de evolução dos "campos morfogenéticos", formulada pelo biólogo britânico Rupert Sheldrake.

De posse de detalhadas observações sobre tal fenômeno, Hellinger adquiriu experiência e, baseado ainda na técnica descrita por Eric Berne e aprimorada por sua seguidora Fanita Englishde “análise de histórias”, descobriu que muitos problemas, dificuldades e mesmo doenças de seus clientes estavam ligadas a destinos de membros anteriores de seu grupo familiar.

 

Método

Com base nessas informações, um cliente apresenta um tema de trabalho e, em seguida, o terapeuta solicita informações factuais sobre a vida de membros de sua família, como mortes precoces, suicídios, assassinatos, doenças graves, casamentos anteriores, número de filhos ou irmãos.

Solicita-se ao cliente que escolha participantes neutros para representar membros da família ou do sistema a ser trabalhado. Esses representantes são dispostos no espaço de trabalho de forma a representar como o cliente sente que se apresentam as relações entre tais membros. Em seguida, guiado pelas reações desses representantes, pelo conhecimento das "ordens do amor" e pela sua conexão com o sistema familiar do cliente, o terapeuta conduz, quando possível, os representantes até uma imagem de solução onde todos os representantes tenham um lugar e se sintam bem dentro do sistema familiar.

 

As Leis do Amor

Hellinger descobriu que há 3 leis (ou necessidades) que atuam na família: hierarquia (estabelecida pela ordem de chegada), pertencimento (estabelecido pelo vínculo), equilíbrio (estabelecido pelo dar e tomar/receber). Quando tais leis são violadas numa família, surgem compensações que atuam em outros membros da mesma (muitas vezes em membros que sequer haviam nascido quando o problema aconteceu). Graças à representação, o cliente pode perceber para onde olha o seu amor e como tais leis podem ser novamente respeitadas. Então ele pode, talvez, enxergar o próximo passo que o conduza de uma maneira mais leve na vida, solucionando a questão que o incomoda.

As ordens do amor são forças dinâmicas e articuladas que atuam em nossas famílias ou relacionamentos íntimos. Percebemos a desordem dessas forças sob a forma de sofrimento e doença. Em contrapartida, percebemos seu fluxo harmonioso como uma sensação de estar bem no mundo.

 

Aplicações

A abordagem apresenta uma vasta gama de aplicações práticas devido aos seus efeitos esclarecedores no campo das relações humanas, como:

  • melhoria das relações familiares;
  • melhoria das relações interpessoais nas empresas;
  • melhoria das relações no ambiente educacional.

 

DIFERENÇAS ENTRE CONSTELAÇÕES:

ORGANIZACIONAIS

Pertencemos a uma família desde que nascemos até depois da nossa morte. Pertencer a uma organização é uma escolha e é temporária, o que torna muito mais complexo, estes sistemas. 

  • função de um membro é menos definida e pode mudar;
  • Nas Constelações Organizacionais há a possibilidade de testar soluções ou simular vários cenários;
  • Nas Constelações Organizacionais, a visualização da solução abre caminhos mais rápidos para a resolução;
  • As Constelações Organizacionais têm uma carga menos emocional do que as Constelações Familiares.

 

FAMILIARES

  • A linguagem utilizada nas Constelações Familiares não é adequada ao ambiente empresarial e organizacional. É necessário utilizar uma linguagem específica quando se trabalha com as empresas;
  • A experiência mostrou que não é muito importante acabar as Constelações Organizacionais até encontrar uma solução como nas Constelações Familiares. As Constelações Organizacionais funcionam mais como um impulso que se desenvolve mais tarde, é como o início da mudança;
  • As Constelações não são a solução, mas um método para mostrar e encontrar o caminho; 
  • Só o Cliente é que pode encontrar e construir a solução.
FacebookTwitterLinkedIn

Espaço Publicitário

Estatística de Visitas

24290
HojeHoje16
OntemOntem75
Esta SemanaEsta Semana256
Este MêsEste Mês1086
Todas as VisitasTodas as Visitas24290

Newsletter

Cadastre-se para receber nossa novidades!
captcha
Atualizar

Espaço Publicitário

Espaço Publicitário

Anuncie3